Como engajar os estudantes nas aulas online durante o isolamento social?

27 de outubro, 2020 - Por e-docente

Compartilhar

Ensino remoto até quando? Esse cenário ainda indefinido deve nos colocar diante das câmeras também em 2021. Então, precisamos nos programar para envolver os estudantes na aprendizagem. Recursos abertos, programas, aplicativos diversos estão disponíveis na rede e inúmeras possibilidades de interação online surgem para uso educacional.

Leia também: O professor do presente e o ambiente virtual.

Uso dos meios digitais para engajamento, junto com a BNCC

Por vezes, planejamos e executamos excelentes aulas, entretanto, se não houver como proporcionar uma participação ativa para os estudantes, eles ficam escondidos atrás da tela, pouco interagem no chat e nos vemos falando “sozinhos”! Essa situação é assustadora quando pensamos que ainda pode durar muito tempo, né?

Então, o planejamento deve propiciar a atribuição de significados quando o estudante consegue dar sentido à aprendizagem e, nesta situação, a “ação” sobre os conteúdos é o diferencial para que haja uma participação mais ativa dos alunos.

Buscamos aqui sair daqueles esquemas nos quais o estudante apenas precisa recuperar na memória, no Google ou nos livros as respostas, e transitar por ações tais como distinguir, analisar, produzir, levantar hipóteses, utilizar princípios, buscar evidências, ações nas quais atuamos ensinando a pensar!

Nessa linha, as competências gerais da BNCC nos ajudam a transitar por temas relevantes, especialmente no atual cenário, quando articuladas às habilidades específicas.

Por exemplo, se pretendo explorar a habilidade de Língua Portuguesa (EF05LP24): planejar e produzir texto sobre tema de interesse, organizando resultados de pesquisa em fontes de informação impressas ou digitais, incluindo imagens e gráficos ou tabelas, considerando a situação comunicativa  e o tema/assunto do texto, posso articular a formulação de perguntas da competência geral “Pensamento científico, crítico e criativo”.

Nela, o estudante “determina uma pergunta central e perguntas de esclarecimento para orientar a investigação, a partir de um tópico específico e de um problema ou desafio”.

Com base nesse propósito, organizamos a sequência didática com as atividades para o planejamento e a produção do texto. Nossa sugestão é trabalhar em duplas, assim reduzimos o trabalho individual durante a pandemia.

Definidas as atividades, podemos buscar as ferramentas mais adequadas para o desenvolvimento no ambiente online, pois não basta ser digital para engajar essa geração! São as ações sobre os conteúdos visíveis nas atividades para além da reprodução e o uso da memória que produzem o engajamento.

Leia também: Repensando a prática docente no contexto da pandemia.

Ferramentas para o ambiente online

Vamos lá! No Mindmeister (https://www.mindmeister.com/pt), é possível desenhar o planejamento com a definição do tema, a escolha das perguntas para embasar a pesquisa, as fontes de pesquisa e o desenvolvimento.

Caso utilizem uma pesquisa de campo, no Google Forms é possível criá-la, compartilhá-la, inclusive usando as redes sociais, e o resultado pode ser visualizado por gráficos.

No Padlet (https://pt-br.padlet.com/), os estudantes podem criar um mural virtual colaborativo com os resultados da pesquisa, assim é possível reorientar o trabalho quando necessário.

E, finalmente, a produção textual pode ocorrer no Google Docs, com o compartilhamento do texto entre os estudantes, e você, professor e professora. É esse exercício autoral que possibilitará uma ação participativa dos nossos estudantes!

Que tal ver outra sequência didática? Baixe o material “Professores e aulas online durante o isolamento social”.

Leia também: Ideias para a manutenção de vínculo durante o distanciamento social.

Leonora Pilon Quintas

Compartilhar


Deixe seu comentário